Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensão Lisbonense

Águas correntes, quentes e frias.

Pensão Lisbonense

Águas correntes, quentes e frias.

Sócrates NÃO! Disse alto e em tom afirmativo.

Ainda não tinha posto as malas no quarto e dei por mim a matutar na peregrina ideia de ficar hospedado neste pasquim.

 

Educado, de trato fácil, costumo ser particularmente criterioso nas escolhas. Tremoços, só os de Paredes de Vitória, Castanhas, só as do Rossio (as da rua do Carmo cheiram a lubrificante do elevador de Santa Justa) e entrecosto, só o da Maria dos Queijinhos, sem picante pf e bem passado.

 

O sindroma do Lençol em Branco, enfrentar a alvura papiral de uma cama vazia, encontrar nas esquinas do pensamento sonhos que façam sentido ou nos afastem do ridículo de um convite indecorosamente compreendido.

 

Ai que este pasquim que cheira a sonos mal dormidos e a orgasmos mal sentidos. Nunca em momento algum esperaria subir tão alto. É que nem elevador tem, senhor! Ainda mais, partilhar o espaço com um canídeo de sexo indeterminado e de carraças múltiplas.

 

Pensei, no mínimo duas vezes, antes de chama-lo de Aleph. Educado de trato fácil … sim, Aleph seria uma proposta a considerar para o cão. A remissão ao universo Borgiano, o ponto através do qual se vêem todas as coisas e lugares e de todos os ângulos, recreando o mundo através … do escárnio e maldizer certamente!

 

Sócrates NÃO!