Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensão Lisbonense

Águas correntes, quentes e frias.

Pensão Lisbonense

Águas correntes, quentes e frias.

... a dog day afternoon (I)

A segunda vez que fui a nova iorque, fui só e cansado.

 

Gosto de betão... fui para lá cicatrizar uma temporada pesada.

 

A primeira fui com a I., com uma Conta Jovem no BPA e com um pioneiro electron no bolso - garantidamente funcional no estrangeiro pela simpática balconista da agência - um cartão de crédito não funcional e a magra quantia de trezentos dólares que me custaram quase o dobro no banco, taxas e favor (nesta altura ainda se pediam favores ao banco) incluídos.

 

Esta viagem começa com o amigo de um amigo de outro que, por sua vez andava a debicar uma funcionária portuguesa de um hotel em Manhattan - Merriot Marquis se a memória não falha - e que nos arranjava uma estadia em condições privilegiadas...

acabando a estória com o check-in num Motel de estrada em east orange, para quem não conhece localizado em pleno jersey county...

 

Podia ter sido pior...

 

Neste pequeno povoado as coisas organizavam-se, para mim como no cinema, numa main street, várias transversais e, a contrariar, uma mini broadway - estas mini broadways cruzam pontualmente as main streets, permitindo a sua sábia rotação e o ângulo do desenho daí resultante, diferenciar as cidades norte-americanas (com população inferior a 2000 almas) entre si.

 

No meio desta receita urbanística fomos despejados e aí nos aguentámos uns dias, até porque as magras economias não permitiam a relocalização.

Era um caso de magreza a arranhar as raias da anorexia financeira.

Mesmo assim - porque o insólido também tem lugar -, estava eu nessa primeira noite a abrir caminho no meio de um nevão em direcção a essa broadway - a I. ficou no motel a tentar arranjar a válvula da torneira da banheira e simultaneamente a recuperar do choque - quando passo em frente de uma montra e me fixo a olhar...

 

...'re you into electronics?

no sir, i am looking at the shelves. Those are comic books there, aren't they?

kids stuff...

where are you from?

 

(uma curiosidade, para quem não sabe, o norte-americano comum é extremamente curioso relativamente a coordenadas. Desconfio que depois, quando as processam, descem as pálpebras e reviram os olhos, comunicando silenciosamente - a uma central algures no alasca - a posição e dados do forasteiro, votando-o depois à vigília da providência e, muito provavelmente, à da homeland security também...)

 

portugal, i said.

poor fella, you guys suffered a lot with the panama crisis!

 

E com esta me deixou, eventualmene com o sentimento de misão cumprida...

 

Hora e meia depois, regresso ao motel munido de uma mid box (cerca de 4 quilos de Comic Books que no regresso da viagem somaram aos restantes 31 prefazendo o total ideal à cobrança de frete de transporte de cerca de 420 dólares, valor equivalente ao dos livros somados e a cujo pagamento me livrei graças à intervenção especializada de um funcionário do ICEP que explicou ao clerk que aquilo eram prospectos de divulgação turística da costa de prata... ) cheia de raridades como o complete run do Kirby no Black Panther, uns números em avulso do Captain America do Colan, o Zorro do Alex Toth, ou as Blazing Combat - o formato não permitia caberem na caixa e por essa razão consegui, após ida apressada a um Dennys nessa tal broadway, deslizar de volta em tempo record, não fosse ensopar os livros no nevão -.

 

Tuta e meia. Motivo: despejo.

 

Nota: o vendedor era dos lados de peniche... não é o mundo pequeno?

 

Como recordo sempre o nome de moteis onde tenho chatices (neste caso causadas pela presença do esquife de comic books), lembro-me que aquele se designava de Bellevile Motor Inn e não o recomendo, por nehuma razão em especial.

 

Para namorar é péssimo.

 

Daquele hell hole a manhattan esticavam-se por duas horas de paisagens ora insólitas, ora desoladoras.

Ora da janela de um bus para fora... ora da de um transfer, ora da de um comboio, do qual se via também para dentro.

 

O meu primeiro fora em manhattan foi por dentro do WTC e depois para a superfície, uma vez cuspidos para leste em direcção à wall street.

 

St. Paul's churchyard entre os canyons da downtown manhattan.

 

Temperatura: -2º centígrados

Vento:           moderado a fraco

 

Como numa ópera barroca encenada sobre gelo, ali fiquei.

 

 

Shamballah, 14 de fevereiro de 1996.

 

 

- end of first installment -